O Cafeína Pop teve o prazer de entrevistar Priscilla Pugliese, atriz que deu a vida a famosa empresária Lauren Pugliese na web série The Stripper, fenômeno na internet, principalmente no meio LGBTQA+ e reconhecida mundialmente ao ser indicada ao indicadas ao Fest Cine Pedra Azul, – um festival internacional de cinema.

Priscilla tem sido reconhecida na America Latina, sendo capa até da revista mexicana “Ximena”, onde já estiveram as artistas Maite Perroni, Macarena Achaga, Dulce Maria, Barbara Lopez, entre outras. Atualmente, os papeis vividos por ela tem aparecido em votações de melhores personagens no twitter.

Priscilla Pugliese na capa até da revista mexicana “Ximena”

Ela contou um pouco de como se sente sendo hoje uma vozes da comunidade LGBTQA+ e também quais serão os desafios para o seu novo trabalho: a série Dark Paradise produzida pela Ponto Ação Produções (mesma produtora de The Stripper) que tem uma temática de suspense, onde ela vai viver dar vida ao papel de serial killer da série!

Confira na integra:

1 – Como é para você saber que hoje, saber que é uma das vozes da comunidade LGBTQA+ por conta das suas histórias?

É muito louco, porque quando eu comecei eu queria fazer arte. Eu não entendia, na verdade, eu não via isso como algo necessário, não via como eles precisam de voz, como precisamos unir as nossas vozes. Hoje eu vejo que é sim necessário. É muito gratificante saber que estamos ganhando espaço, que estamos conquistando. Meu maior sonho é que um dia isso passe a ser normal para outras pessoas, que não seja visto como um gênero de uma produção. Que apensar possamos falar que é um romance, ou um terror, suspense… Nós vamos continuar lutando para isso e tentando realizar.”

2Qual é a mensagem que você sempre se preocupa em passar para esse público?

A mensagem que eu me preocupo em passar é naturalidade. Acredito que é o que falta em novelas de TV aberta, às vezes até mesmo em séries e filmes, tratar esse assunto com naturalidade. É para esse lugar que queremos usar nossa voz, mais naturalidade e menos rótulo e menos desse “clichê” que foi construído.”

3 – Como é hoje em se ver em diversas votações do twitter elegendo personagens que você interpretou no top 5 de melhores personagens femininas e LGBTQA+?

Eu sempre acompanhei esses twitters, esses portais, e votei nos meus ídolos. Hoje sou eu concorrendo com eles! Quero dizer, não digo concorrer de fato, mas estamos ali juntos, sendo visados, divulgados. A minha ficha não cai. Eu ainda sou muito fã, então me vejo muito do outro lado. É surreal!

Priscilla também contou um pouco de como será adaptação para a série “Dark Paradise”, já que um de seus primeiros trabalhos – “A Melhor Amiga da Noiva”, apresentava uma temática bem diferente, abordando temas como gravidez, adoção e depressão:

Eu gosto muito de assistir filmes e séries, mas mais quando eu estou estudando um personagem. Quando se trata de adaptação de roteiro, eu busco muito conversar com o autor e tento entender até que ponto ele estudou, até que ponto é uma ficção, como nesse próximo roteiro que vamos trabalhar. Queremos trata-lo completamente como uma ficção. Eu tento procurar pessoas que já viveram algo parecido, psicólogos que possam me ajudar e me explicar, porque eu realmente não sou roteirista, entendo pouco sobre e faço com coração e com amor.

E ela completa:

Inclusive, eu tenho uma prima que é psicóloga e sempre me ajuda quando estou nesse processo de adaptação de roteiro, me dando algumas orientações. Existe um cuidado muito grande junto com os autores das fanfics.

Priscilla Pugliese em “The Stripper” – Youtube/Reprodução

4 – Quais são as suas expectativas para esse novo projeto? O que você espera que “Dark Paradise” traga para o público?

É muito difícil falar de “Dark Paradise”, porque estando nesse lugar de influenciadores, o público leva muito a sério o que estamos falando. Então é preciso tratarmos com muito cuidado, porque vamos trazer uma serial killer, mas como uma “heroína” e, o que na verdade, não torna certo o que ela faz. Nossa maior preocupação é deixar bem claro que é uma trama completamente ficcional, que as pessoas não devem fazer o que, no caso, a minha personagem vai fazer na série. Mas queremos mostrar também, que o que as mulheres passam na série, o que essas reais vítimas passam, precisa mudar e quem passa por isso na vida real pode e precisa pedir ajuda para acabar com essas situações.

Partindo pro lado mais pessoal, ela também conta de suas inspirações para seus papéis de sucesso:

Em “The Stripper”, por exemplo, eu me inspirei muito na Miranda, de “O Diabo Veste Prada”, sei que ainda tem muito para construir para chegar perto da Meryl Streep, mas era uma grande inspiração. Em “A Melhor Amiga da Noiva 1”, eu me inspirei muito em um amigo meu, que parecia muito a Fernanda. Já em “Vidas Reversas”, tinham muitas coisas que já havia passado na minha vida. Agora, em “Dark Paradise”, estou apaixonada na série “Dexter” e me inspira e me lembra muito a Lauren nesse lugar de justiceira e não só como uma serial killer.

E por fim, agradece os fãs e deixa uma mensagem para quem tenha um sonho, seja ele qual for:

Eu costumo brincar e chamar de “fãtrocínio”, porque são os fãs que nos patrocinam, que nos apoiam e nos divulgam. Se ganhamos uma votação ou estamos participando de alguma votação, é graças a eles. É mais um agradecimento, que apenas um recado. E tem uma frase que eu sempre uso e que me ajudou muito, do Walt Disney, “se você pode sonhar, você pode realizar”.

Você pode assistir Priscilla arrasando em “The Striper” aqui:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s